skip to Main Content
A Analogia Entre O Pato E A Tecnologia Nas Igrejas

A analogia entre o pato e a tecnologia nas igrejas

Já teve a oportunidade de parar para admirar um pato? Bom, ele sabe voar, sabe nadar e sabe andar, porém não consegue fazer nenhum deles bem feito, concorda? Já viu um pato voando junto com uma águia? Ou ultrapassando um leopardo na corrida, talvez no fundo do mar caçando com os tubarões? Não! E ele virou até sinônimo de gente que faz coisa mal feita: “ah, esse cara aí é um pato”.

E trouxe o pato para esse artigo para fazer uma analogia com a tecnologia! Hoje é muito comum o uso da tecnologia em multisserviços. O que é isso na prática? Você assiste aos vídeos em um aplicativo, conversa com amigos em outro, paga as contas no outro. E isso é comum até dentro de um único aplicativo, quer um exemplo? Vamos usar o Aplicativo UBER: ele é um app de transporte alternativo “onde tudo que existe no aplicativo é feito pela UBER, certo?” Errado! Ao abrir o aplicativo você pode perceber que o mapa utilizado é do Google. Indo mais a fundo vai ver que o sistema de chat entre motorista e passageiro e o serviço de pagamento são de outras empresas especialistas no assunto. Durante alguns anos muitas empresas insistiam em ter um único sistema, que resolvesse tudo, mas isso caiu por terra e hoje em dia o que mais vemos no mundo corporativo é multisserviços: softwares integrados todos resolvendo aquilo que cada um é especialista em resolver.

O mesmo acontece no meio das Igrejas. É comum empresas que desenvolvam um aplicativo para gerenciamento “completo” da Igreja. Opa! Mas pera lá o que eles oferecem de software para o ministério infantil? É possível integrar essa solução a outros softwares. Isso é microsserviços aplicado à igreja! Ter um serviço que atenda e resolva os seus problemas e ajude nas suas tarefas é fundamental para o desenvolvimento do ministério infantil, e claro uma empresa com valores iguais aos seus e que seja autoridade no assunto de ministério infantil, vai conseguir de fato a ajudar você.

Não queira pagar o pato!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top